search 2013 adfgs
06/09/2008

Em sintonia

Em sintonia
A reportagem de capa da revista Veja que começa a circular hoje (06/09) é sobre os resultados do seminário “O Brasil que Queremos Ser”, realizado na terça-feira passada em São Paulo, em comemoração aos 40 anos daquela publicação. O seminário reuniu 500 personalidades da política, da economia e da cultura, para pensar o Brasil. Divididos em seis painéis – Educação, Meio Ambiente, Economia, Imprensa, Democracia, Raça e Pobreza e Megacidades – os debates deram origem a 40 propostas para o futuro do país.

Destaco aqui as quatro últimas, por coincidirem com o que escrevi no texto anterior sobre soluções efetivas para os problemas de tráfego no DF:

“37 Tirar a majestade do carro
No Primeiro Mundo, progresso é transporte coletivo de qualidade e restrição severa à circulação de carros, por meio de medidas como rodízio e pedágio. O Brasil está na contramão, porque suas cidades continuam a reduzir o espaço para pedestres, a ampliar as vias para automóveis particulares e a tratar o transporte público com descaso. São Paulo, onde já rodam mais de 6,1 milhões de carros, pode parar de vez em 2015.

38 Organizar o transporte coletivo
O Brasil é o lugar em que eufemismos viram solução de governo. É o caso do chamado transporte alternativo. A palavra correta é “ilegal”. No Rio de Janeiro, a bandalha já superou os serviços regulares. Circulam na cidade 7 500 ônibus de empresas formais e 8 000 vans ilegais. Estabelecer um sistema integrado de transporte é a melhor forma de evitar a invasão de perueiros e assemelhados.

39 Conferir aos ônibus o padrão de metrô
Nos pontos de ônibus londrinos e parisienses há luminosos que informam em quanto tempo chegará o próximo carro de cada linha. A margem de erro é muito pequena, mesmo no horário do rush. É a prova de que o serviço de ônibus pode ser pontual, rápido e guardar intervalos curtos entre as partidas. Para seguirem o exemplo, as cidades brasileiras precisam criar corredores exclusivos.

40 Não se intimidar com os desafios
Quando se fala em problemas urbanos, surgem cifras que, não raro, paralisam as administrações e os cidadãos. Mas sempre é possível encontrar soluções baratas. Curitiba tornou-se referência de transporte público sem gastos excessivos. Também se deve levar em conta que parte dos custos embute a corrupção. São Paulo e Cidade do México começaram a construir metrô no mesmo período. A primeira conta, hoje, com 60 quilômetros de linhas. A segunda, com 200. O quilômetro escavado paulistano custa 500 milhões de reais. O mexicano, 90 milhões. E olhe que a Cidade do México enfrenta terremotos…”

É possível ler mais sobre o seminário visitando o site www.veja40anos.com.br.

Comentários

Comente