search 2013 adfgs
28/05/2014

Resumo da incompetência

Do portal Veja.com:

Em Brasília, o resumo dos grandes erros do país da Copa

Estádio caro e com futuro incerto, obras incompletas, legado decepcionante: é essa a capital que os visitantes encontrarão dentro de apenas quinze dias

A Copa do Mundo chega a Brasília em 15 de junho, com uma partida entre Suíça e Equador. Faltando poucas semanas para o evento, entretanto, os preparativos na capital federal simbolizam bem as deficiências na organização do torneio no país todo. Brasília conta com um estádio que custou caro demais e tem futuro incerto; há obras ainda incompletas, que ficarão prontas só depois do Mundial; e ainda enfrenta problemas que podem comprometer a experiência do torcedor que chegar à cidade para participar da festa.

O governo do Distrito Federal entregou o Estádio Nacional Mané Garrincha à Fifa na semana passada, para que sejam feitos os ajustes finais na arena que receberá sete partidas da Copa. Áreas de imprensa, estrutura para transmissão de TV, escritórios temporários, tendas de serviços e treinamento de funcionários estão sendo realizados no local. Estádio mais caro do Mundial e forte candidato a virar um elefante branco depois do torneio, o Mané Garrincha foi orçado em 780 milhões de reais, mas está chegando à casa dos 2 bilhões. Pelo projeto, a arena multiuso promete abrigar mais do que partidas de futebol e shows, apostando em eventos dos mais diversos. Mesmo que esse conceito decole – algo em que nem todos acreditam na capital –, o contraste do estádio moderno e sofisticado com a realidade do lado externo é grande. A começar pelas calçadas esburacadas e cheias de barro que levam até o estádio.

A Copa no DF seria, de acordo com o governador Agnelo Queiroz, o “Mundial sustentável” – e ela veio a um custo elevado, segundo o Tribunal de Contas da União (TCU). A frota de dezoito ônibus ecológicos (movidos a biodiesel e com motor elétrico) para transportar os turistas custou 21 milhões de reais. Em Curitiba, porém, 60 unidades do mesmo veículo custaram 26 milhões de reais, já que foram dispensados equipamentos como câmbio automático e ar condicionado. O VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) que ligaria o aeroporto ao Setor Hoteleiro Sul foi retirado da Matriz de Responsabilidades da Copa pelo governador – houve suspeita de irregularidade na fase de licitação. Diversas outras promessas, como o projeto urbanístico do lado externo da arena, a ampliação de rede de metrô, a adoção do bilhete único de transporte e as placas fotovoltaicas para captação e aproveitamento de energia solar no estadio, continuam na lista de espera.

Legado pela metade

Como todas as outras onze cidades-sede, a capital federal também terá seus legados da Copa – pelo menos conforme as campanhas do governo. Além do estádio, criado para ser uma arena multiuso, o aeroporto, com a nova Ala Sul, passou de 13 para 29 portões de embarque, ganhou uma ampliação na área de manobra das aeronaves, mais vagas de estacionamento… e muito barulho e confusão para os visitantes que chegam neste mês, pois nem todas as obras no local estão prontas. O Expresso Sul, corredores exclusivos para ônibus que ligam o Gama ao Plano Piloto, também teve sua construção atribuída à chegada da Copa à cidade. “É fundamental que o orgulho do brasileiro se eleve com relação à sua capital, que foi muito maltratada ao longo dos anos”, disse o secretário Claudio Monteiro, que cuida dos assuntos da Copa no DF.

Apesar de o governo distrital comemorar os projetos ligados ao Mundial, muitos avanços prometidos ficaram pela metade. No caso do estádio, existe um projeto para manter abertos dois restaurantes e lojas. Segundo o secretário, porém, a execução do projeto só terá início após o Mundial. Quanto ao aeroporto, estão em falta placas de sinalização indicando aos turistas onde estão o embarque e desembarque, pontos de táxis e banheiros. Apesar das melhorias na Ala Sul, que será apenas de uso doméstico, a Ala Norte, para voos internacionais, ainda não foi concluída e mantêm-se sem previsão de conclusão. O Expresso teve apenas um de seus trechos concluído. A parte que ligará Planaltina e Sobradinho ao Plano Piloto só deve começar a ser construída no segundo semestre. Mesmo o que é anunciado como legado, portanto, ainda está longe de ser concluído.

A Copa que o turista vai encontrar na capital

O turista que chegará a Brasília para acompanhar de perto a Copa do Mundo deverá se deparar com algumas surpresas – e elas, definitivamente, não se encaixam no padrão Fifa. Com apenas quinze dias para o início do torneio, a cidade ainda não oferece as condições ideais para a realização da competição. Sob a tutela da Fifa desde a semana passada, o Estádio Nacional Mané Garrincha está pronto, mas ainda há obras e chão em terra batida em boa parte do pátio que o contorna.

A pavimentação do entorno está sendo feita em cima da hora. A promessa é de que ficará pronta até o início do torneio. Mas obras que serviriam para melhorar o acesso dos visitantes ao palco dos jogos só ficarão prontas após o Mundial, como é o caso do túnel que liga o estádio ao Centro de Convenções. Com o foco voltado ao estádio, que já foi palco da abertura da Copa das Confederações, as obras no lado externo começaram a ser executadas tarde demais. De acordo com o titular da Secretaria Extraordinária da Copa (Secopa) no Distrito Federal, Claudio Monteiro, o túnel continua nos planos e deverá facilitar o acesso ao estádio em jogos futuros. No maior evento a ser realizado no local, porém, o caminho facilitado não existirá.

A reportagem de VEJA saiu do Setor Hoteleiro Norte, a menos de um quilometro do estádio, e fez o percurso que quase todos os turistas percorrerão em dias de jogos. No caminho foram identificadas diversas falhas nas calçadas, além de muita sujeira decorrente das construções – incluindo o entulho deixado pelas obras de um dos hotéis que não foram concluídos para a Copa – e de buracos e bueiros abertos. Também não havia policiamento no trajeto. Estrangeiros acostumados com organização e limpeza terão dificuldades para se adaptar.

O governo corre para Brasília não receber o Mundial apresentando tantos pontos negativos, mas a arena que foi inaugurada há apenas um ano só recebe os devidos cuidados aos 40 minutos do segundo tempo. Mesmo com o estádio já entregue à Fifa, um canteiro de obras instalado no lado externo continua no mesmo lugar, sinalizando que ainda há trabalho a ser feito. As máquinas ligadas durante boa parte do dia e o constante movimento de trabalhadores no local confirmam essa impressão.

Apesar das evidências de desleixo e das obras ainda incompletas, na avaliação da Secopa-DF, tudo transcorre conforme o planejado: “Estamos prontos para receber a Copa do Mundo de 2014”.

 

20/05/2014

Do ponto de vista certo

 

Comentários desativados em Do ponto de vista certo
11/05/2014

Em área restrita

DC11052014b

 

07/05/2014

É preciso tirar do poder os sujeitinhos da história

Do jornal O Globo:

O Brasil está com ódio de si mesmo
Arnaldo Jabor

O Brasil está irreconhecível. Nunca pensei que a incompetência casada com o delírio ideológico promoveria este caos. Há uma mutação histórica em andamento. Não é uma fase transitória; nos últimos 12 anos, os donos do poder estão a criar um sinistro “espírito do tempo” que talvez seja irreversível. A velha “esquerda” sempre foi um sarapatel de populismo, getulismo tardio, leninismo de galinheiro e, agora, um desenvolvimentismo fora de época. A velha “direita”, o atraso feudal de nossos patrimonialistas, sempre loteou o Estado pelos interesses oligárquicos.

A chegada do PT ao governo reuniu em frente única os dois desvios: a aliança das oligarquias com o patrimonialismo do Estado petista. Foi o pior cenário para o retrocesso a que assistimos.

Antes dessa terrível dualidade secular, a mudança de agenda do governo FHC por sorte criou um pensamento mais “presentista”, começando com o fim da inflação, com a ideia de que a administração pública é mais importante que utopias, de que as reformas do Estado eram fundamentais. Medidas simples, óbvias, indutivas, tentaram nos tirar da eterna “anestesia sem cirurgia”. Foi o Plano Real que tirou 28 milhões de pessoas da pobreza e não o refrão mentiroso que os petistas repetem sobre o Bolsa Família ou sobre o PAC imaginário.

Foi um período renegado pelo PT como “neoliberal” ou besteiras assim, mas deixou, para nossa sorte, algumas migalhas progressistas.

Tudo foi ignorado e substituído pelo pensamento voluntarista de que “sujeitos da história” fariam uma remodelagem da realidade, de modo a fazê-la caber em suas premissas ideológicas. Aí começou o desastre que me lembra a metáfora de Oswald de Andrade, de que “as locomotivas estavam prontas para partir, mas alguém torceu uma alavanca e elas partiram na direção oposta”.

Isso causa não apenas o caos administrativo com a infraestrutura morta, como também está provocando uma mutação na psicologia e no comportamento das pessoas. O Brasil está sendo desfigurado dentro de nossas cabeças, o imaginário nacional está se deformando.

Há uma grande neurose no ar. E isso nos alarma como a profecia de Levi Strauss de que “chegaríamos à barbárie sem conhecer a civilização”. Cenas como os 30 cadáveres ao sol no pátio do necrotério de Natal, onde os corpos são cortados com peixeiras, fazem nossa pele mais dura e o coração mais frio. Defeitos e doçuras do povo, que eram nossa marca, estão dando lugar a sentimentos inesperados, dores nunca antes sentidas. Quais são os sintomas mais visíveis desse trauma histórico?

Por exemplo, o conceito de solidariedade natural, quase “instintiva”, está acabando. Já há uma grande violência do povo contra si mesmo.

Garotos decapitam outros numa prisão, ônibus são queimados por nada, com os passageiros dentro, meninas em fogo, presos massacrados, crianças assassinadas por pais e mães, uma revolta sem rumo, um rancor geral contra tudo. O Brasil está com ódio de si mesmo. Cria-se um desespero de autodestruição, e o país começa a se atacar.

Outro nítido efeito na cabeça das pessoas é o fatalismo: “É assim mesmo, não tem jeito não”. O fatalismo é a aceitação da desgraça. E vêm a desesperança e a tristeza. O Brasil está triste e envergonhado.

Outro sintoma claro é que as instituições democráticas estão sem força, se desmoralizando, já que o próprio governo as desrespeita. Essa fragilização da democracia traz de volta um desejo de autoritarismo na base do “tem de botar para quebrar!”. Já vi muito chofer de táxi com saudades da ditadura.

A influência do petismo também recriou a cultura do maniqueísmo: o mal está sempre no outro. Alguém é culpado disso tudo, ou seja, a “média conservadora” e a oposição.

A ausência de uma política contra a violência e a ligação de muitos políticos com o tráfico estimulam a organização do crime, que comanda as cadeias e já demonstra uma busca explícita do horror. A crueldade é uma nova arte incorporada em nossas cabeças, por tudo que vemos no dia a dia dos jornais e TV. Ninguém mata mais sem tortura. O horror está ficando aceitável, potável.

O desgoverno, os crimes sem solução, a corrupção escancarada deixam de ser desvios da norma e vão criando uma nova cultura: a cultura da marginalidade, a “normalização” do crime.

Uma grande surpresa foi a condenação da Copa. Logo por nós, brasileiros boleiros. Recusaram o “pão e circo” que Dilma/Lula bolaram, gastando mais de R$ 30 bilhões em estádios para “impressionar os imperialistas” e bajular as massas. Pelo menos isso foi um aumento da consciência política.
Artistas e intelectuais não sabem o que pensar – como refletir sem uma ponta de esperança? Temos aí a “contemporaneidade” pessimista.

Cria-se uma indiferença progressiva e vontade de fuga. Nunca vi tanta gente falando em deixar o país e ir morar fora. As mutações mentais são visíveis: nos rostos tristes nos ônibus abarrotados, na rápida cachaça às 6h da manhã dos operários antes de enfrentar mais um dia de inferno, nos feios, nos obesos, no desânimo das pessoas nas ruas, no pessimismo como único assunto em mesas de bar.

Vimos em junho passado manifestações bacanas, mas sem rumo; contra o quê? Um mal-estar generalizado e sem clareza, logo escrachado pelos black blocks, a prova estúpida de nosso infantilismo político.

É difícil botar a pasta de dente para dentro do tubo. Há uma retroalimentação da esculhambação generalizada que vai destruindo as formas de combatê-la. Tecnicamente não estamos equipados para resolver as deformações que se acumulam como enchentes, como um rio sem foz.
E o pior é que, por trás da cultura do crime e da corrupção, consolida-se a cultura da mentira, do bolivarianismo, da preguiça incompetente e da irresponsabilidade pública.

O Brasil está sofrendo uma mutação gravíssima, e nossas cabeças também. É preciso tirar do poder esses caras que se julgam os “sujeitos da história”. Até que são mesmo, só que de uma história suja e calamitosa.

29/03/2014

Bagunça e não resolve

Do Correio Braziliense:

Ônibus deverão parar fora das paradas para mulheres após 22h

O governado do DF decretou que motoristas de coletivos desembarquem pessoas do sexo feminino em qualquer lugar do trajeto da linha

Após as 22h, os motoristas de ônibus, sempre que solicitados, deverão parar os coletivos, ainda que fora das paradas, para o desembarque de mulheres. Eles vão ter que parar o veículo em qualquer lugar onde seja possível, no trajeto da linha. O decreto está no Diário Oficial do Distrito Federal, desta sexta-feira (28/3), assinado pelo governador Agnelo Queiroz.

As empresas de transporte público deverão divulgar a novidade, disponibilizando, em local visível, nos coletivos, o novo regulamento, para que todas as usuárias possam saber dos novos direitos. A lei já está valendo a partir de hoje. O DFTrans vai notificar as empresas do Sistema de Transporte Público Coletivo para que obedeçam o estabelecido no decreto e as que não cumprirem poderão ser multadas.

De acordo com o Governo do Distrito Federal (GDF) o objetivo da lei é aumentar a segurança das mulheres.

Comento:

Para “aumentar a segurança das mulheres”, em vez de cumprir com a obrigação de melhorar a iluminação das ruas e aumentar o policiamento, o governo Agnelo escolhe o caminho mais fácil: bagunçar o trânsito e desorganizar o sistema de transporte coletivo.

É bem a cara desse governo do PT.